Estou há 9 anos na IURD e pouquíssimas vezes ouvi os pastores falarem mal de outras igrejas. Também nunca vi o “materialismo fora do comum”. Mas, sempre que invento de visitar alguma outra igreja, ouço indiretas ou “diretas” vindas do púlpito contra a IURD. O que é uma grande perda de tempo, pois não fomos chamados para brigas internas.

Tenho muito temor em falar mal de alguma denominação, pois não quero me ver criticando um ungido do Senhor. Quem sou eu para julgar alguém? Só Deus conhece o coração dos homens. Então, é melhor pensar vinte vezes antes de “ameaçar” qualquer um com o “dia da prestação de contas”, como se isso coubesse a nós.

No texto “Profecia”, o bispo Edir Macedo não falou mal de outras igrejas, mas de uma determinada doutrina que tem devastado muitas vidas e atrasado tantas outras, independente de denominação.

Sou grata a Deus pela IURD. Nasci em uma igreja evangélica, onde tive formação cristã tradicional. Fiz gincana bíblica, sei versículos de cor, encontro qualquer livro na Bíblia em segundos, mas isso nunca me adiantou em nada, por isso, saí dela aos 12 anos. Passei a frequentar outra igreja, que tinha a postura de profetizar. Vi o que isso causa na vida das pessoas. Pelos frutos conhecemos a árvore, e os frutos nos mostram que isso não procede de Deus.

Aos 16 anos, voltei para a primeira igreja, onde nasci. Saí aos 20, destruída. Conheci a Deus, de verdade, na IURD. Por isso, digo: nunca fui tão estimulada a ler, entender e colocar a Bíblia em prática quanto na IURD. Tenho irmãos em outras denominações e sei do que estou falando. Não quero desrespeitar ninguém, mas a verdade é que muitas pessoas acabam perdendo o foco e vivendo uma religiosidade em qualquer denominação.

Ontem mesmo conversei com uma amiga que tentava me convencer de que era errado orar exprimindo certeza de algo que eu queria. Mas, como assim? Se Paulo diz que a fé é a certeza de coisas que se esperam e convicção de fatos que não se vêem? Ela falou que teria de saber primeiro qual era a vontade de Deus a respeito (disse isso para embasar sua crença de que nem todas as doenças são para cura). Então, eu falei que na Bíblia estava descrita a vontade de Deus para absolutamente tudo. É nossa regra de fé para qualquer circunstância.

Essa moça também cresceu em igreja evangélica e tem compromissos com a equipe de louvor de sua congregação. Fiquei estarrecida ao ver como essas coisas de profecias e revelações acabam engessando os crentes, fazendo com que a Bíblia não seja mais suficiente para eles. Eles têm a “necessidade” de outros mediadores entre Deus e os homens. Isso cria cristãos fracos, inseguros, inconstantes, infantis e derrotados, que não admitem possuir alguma responsabilidade a cumprir para que a vontade de Deus se manifeste.

Pagar o preço? De modo algum. É mais cômodo e fácil sentar e deixar o barco correndo à solta, buscando respostas em profecias.

A solução é simples: independente da denominação, o cristão deve buscar intimidade com Deus, através da leitura bíblica, da oração e busca do Espírito Santo. Além de manter uma vida reta diante de Deus, condizente com o que Ele determinou em Sua Palavra.

Infelizmente, muita gente prefere ficar agarrada ao que acreditou a vida inteira, ao invés de ouvir a Palavra de Deus, sem intermediários.

É assim que o diabo tenta atravancar o crescimento dos cristãos: pelo engano.

Não existe revelação maior do que a Palavra de Deus. E ela é suficiente.

Na fé.

Vanessa Lampert

Publicado originalmente em: http://www.bispomacedo.com.br/2009/11/05/comentario-de-uma-internauta-sobre-o-texto-profecia-publicado-no-blog/
5 de novembro de 2009
Publicado por Bispo Edir Macedo